11 de fevereiro de 2019

Conheça mais sobre o Arquivo-Museu de Literatura Brasileira

Fundado em 1972, o Arquivo-Museu de Literatura Brasileira (AMLB) foi instalado na Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), instituição vinculada ao Ministério da Cidadania, após um apelo feito por Carlos Drummond de Andrade em sua coluna do Jornal do Brasil de 11 de julho daquele ano. A crônica de Drummond era um lamento pela falta de um local onde ficasse guardada a memória literária nacional por meio das grandes obras da literatura do país. Em algumas linhas, o escritor fez também uma espécie de apelo para a criação de tal instituição: “mas falta o órgão especializado, o museu vivo que preserve a tradição escrita brasileira, constante não só de papéis como de objetos relacionados com a criação e a vida dos escritores […] Será que a ficção, a poesia e o ensaio de nossos escritores não merecem possuí-lo?”.

Após conversas e negociações entre o escritor Plínio Doyle e Américo Lacombe, naquele momento presidente da FCRB, no dia 28 de dezembro de 1972, foi instalado, na sede da Fundação, o Arquivo-Museu de Literatura Brasileira. Mais de 45 anos depois, seu acervo possui 348,19 metros lineares de arquivos de escritores brasileiros que representam diferentes movimentos literários, por meio de nomes como Antônio Sales, Bastos Tigre, Cruz e Sousa, Manuel Bandeira, Clarice Lispector, Carlos Drummond de Andrade e Pedro Nava, entre outros.

Dos 147 arquivos sob a custódia do AMLB, 35% encontram-se totalmente organizados e disponíveis na base de dados; 51% encontram-se parcialmente organizados; e 14% aguardam o devido tratamento técnico. Há que se registrar que o fato de esses arquivos não terem sido ainda organizados não se traduz em impedimento para a consulta, uma vez que os acervos podem ser acessados in loco por todos os interessados, com agendamento prévio pelo e-mail: consulta.acervo@rb.gov.br.

Continue Lendo essa matéria.

Fonte: www.cultura.gov.br

Comentários