18 de outubro de 2010

Encontro cultural com revista e livro

AGCIP enriquece encontro cultural com revista e livro

A sexta passada marcou mais um importante passo para a AGCIP – Associação de Gestão Cultural no Interior Paulista “Prof. Gilberto Morgado”.

Junto à abertura do Encontro Cultural de Artes Livres – ECAL, em Guaíra, a AGCIP enriqueceu o evento ao lançar a 4ª edição da Revista Culturando, com o tema “CIRCOnavegações”.

Foi uma noite multicultural. Antes mesmo da abertura, o grupo “Os Famosos”, de Sertãozinho, comandados pelo diretor e ator teatral Marcos Favaretto, fazia intervenções artísticas que chamavam a atenção de quem chegava ao Parque Maracá, uma das referências de Guaíra.

O ECAL, comandado pela diretoria de cultura local, sob comando de Alex Queli Tomé, ainda contou com orquestra local, coral de Uberlândia, além da Cia. Aliança, de Ariranha, que encerrou a noite de abertura com cultura de raiz — a Folia dos Santos Reis.

Culturando

Com a presença de cidades como Birigui, Franca, Araraquara, Matão, Monte Alto e Ariranha, além do município mineiro de Uberlândia, após as falas iniciais, o jornalista Felipe Nunes assumiu o microfone e começou a falar sobre a 4ª Edição da Culturando.

Na abertura, ao falar sobre o editorial, assinado por Marcos Favaretto (Sertãozinho), sobre a cooptação da cultura pelos portugueses, eis que entra o próprio Favaretto e seu grupo teatral “Os Famosos”, encenando Erro de Português, do modernista Oswald de Andrade.

Desta forma, Os Famosos, junto a Felipe, fizeram um cerimonial diferente para o lançamento da Revista da AGCIP, que trata do tema Circo; além do impresso, ainda foi lançado o livro “A Cidade que Matou a Estrela”, do escritor montealtense Luiz Mozzambani Neto, artista associado à AGCIP.

Mais

Felipe e Mozzambani permaneceram em Guaíra, acompanhando, no sábado, apresentações e dinâmicas culturais como o Circo Roliúde, com Os Famosos, oficina de Dança, de Bonecos e Teatro Infantil e de Literatura.

Nessa última, Mozzambani conversou com os presentes sobre a experiência de escrever um livro, e como ser um autor independente. Aliás, ele é independente ao extremo: nesse segundo livro, além de não possuir editora, o próprio escritor fez a produção física do livro, desde a impressão, até a costura e colagem.

Na seqüência, Felipe falou sobre a produção de um conto, dissertando sobre conceitos de texto, contexto e estimulando os presentes a produzirem um conto a partir de trechos de um texto consagrado do escritor Rubem Fonseca.

Encerrando o sábado cultural em Guaíra, houve a inauguração do MAE – Museu Aberto de Esculturas, com obra da consagrada Tomie Ohtake; essa e as demais ações desenvolvidas pela equipe de Alex Queli Tomé, na administração municipal, consagram a cidade como referência cultural no interior paulista.

O ECAL termina amanhã, com show do grupo pernambucano Cordel do Fogo Encantado, no Parque Maracá.

Comentários